quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Desafio de Kano (Klássico)

O desafio de Kano (Klássico) está se repetindo no MKX Mobile!
Veja todos os detalhes do desafio dele bem abaixo!

APRIMORAMENTOS:
São as desenvolturas do personagem.

Golpe Baixo ➺ Todos os ataques bloqueados pelo oponente possuem 25% de chances de atordoar o oponente. Kano tem 100% de chances de causar dano crítico contra inimigos atordoados.

DADOS:
São os informes iniciais sobre o personagem do desafio.

Variedade: Exoterra

Classe: Ouro

Ataque: 950

Saúde: 880

Resistência: 880

Recuperação: 950

Geração de Poder: 100%

EXIGÊNCIA DO DESAFIO:
É tudo aquilo que o desafio pede obrigatoriamente para garantir a conclusão dele.

• Partida 1 - Exige somente personagens de nível BRONZE;

• Partida 2 - Exige somente personagens de nível PRATA e BRONZE;

• Partida 3 - Exige somente personagens de nível PRATA;

• Partida 4 - Exige somente personagens Artistas Marciais dourados;

• Partida 5 - Kitana é obrigatória na equipe.

GOLPES:
Todos os golpes que o personagem possui, e o tanto de dano que ele pode causar.

Bola de Kano - Ataque: dano médio;
De Orelha a Orelha - Ataque: dano alto;
Lacerador - Ataque: dano extremo.

RECOMPENSAS:
São as remunerações que o jogo presenteia o jogador a cada partida.

                                                                Nível Normal
                                                      • Luta 1: 10.000 Moedas
                                                      • Luta 2: 20.000 Moedas
                                                      • Luta 3: 35 Almas
                                                      • Luta 4: Pacote de Cartas
                                                      • Luta 5: 50 Almas
                                                               Nível Difícil
                                                      • Luta 1: 16.000 Moedas
                                                      • Luta 2: 32.000 Moedas
                                                      • Luta 3: 46 Almas
                                                      • Luta 4: Pacote de Cartas
                                                      • Luta 5: 65 Almas

CARTAS DE SUPORTE:
Cartas que aumentam os atributos do lutador automaticamente ao serem adicionadas à sua coleção.

                                                  Carta 1 - Lutador de Faca
                                                  Carta 2 - Cibernéticos
                                                  Carta 3 - Clã: Dragão Negro

Lançamento: 14/07/16   Término: 04/08/16
Repetição:  24/08/17  Finalização: 31/08/17

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Confirmado: Raiden em Injustice 2!

O nosso querido deus do trovão está confirmado em Injustice 2!
Raiden está vindo como personagem DLC através do pacote ''Fighter Pack 2'', e junto dele temos mais dois personagens chegando, são eles Arraia Negra e Hellboy.

Quando eles lançaram a foto do primeiro pacote (Fighter Pack 1) onde continha Sub-Zero, Capuz Vermelho e Estelar, eles deixaram bem claro de que uma das sombras era a de Raiden, mas muitos fãs estavam duvidando, pois acreditavam que seria mais uma trolagem dos desenvolvedores. Contando com ele, já temos 3 personagens de Mortal Kombat convidados nos jogos de Injustice. Sub-Zero, Scorpion e Raiden.
Quem será o próximo?

Veja o trailer completo:

O DLC estará disponível para compra a partir do dia 12 de setembro de 2017, e o primeiro personagem estará disponível para acesso antecipado no mesmo dia. Os jogadores que adquiriram o Injustice 2 Edição Ultimate ou o Fighter Pack 2 terão acesso antecipado aos três novos lutadores dos universos DC, Dark Horse e Mortal Kombat.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

25 anos após o lançamento de Mortal Kombat

Qual é a história sobre os 25 anos após o primeiro Mortal Kombat que a equipe do jogo tem para nos contar? Queremos saber o que se passava naqueles tempos quando o primeiro MK foi lançado. Bom, Ed Boon e Daniel Pesina falaram um pouco sobre como foi a experiência de produzir um dos jogos de luta e de violência explicita mais famosos do mundo, já que naquela época os consoles eram voltados para jogos infantis.
E tudo isso você acompanha traduzido aqui no nosso blog!


Ed Boon, co-criador, e Daniel Pesina, que interpretou personagens como Sub-Zero e Johnny Cage, tem perspectiva de como foi a controvérsia naqueles anos, e rever a controvérsia sobre título de conteúdo violento lançado em 9 de agosto 1992.

O início da década de 90 marcou um antes e depois no gênero de jogos de luta. Porque o sucesso de Street Fighter em suas duas primeiras edições, tenta digitalizar personagens lutadores, assim como os da série Fatal Fury, os fãs testemunharam como estes jogos abriram o caminho para outros títulos, mais ou menos aplausos, que sustentam a base de um gênero que continua até hoje. Mas um deles era diferente dos outros. Lançou um 09 agosto de 1992, Mortal Kombat não só chamou a atenção para a sua proposta em termos de gráficos, mas também um nível de violência explícita nunca antes visto em um jogo de vídeo game.

Foi em 1991, quando Ed Boon e John Tobias decidiram criar sua própria saga, ainda considerando as limitações técnicas da época foi motivada longe dos gráficos coloridos e códigos de honra de Street Fighter, mostrando um mundo pós apocalíptico e cheio de referências ao submundo. Originalmente lançado para as máquinas arcade, as diferenças eram enormes, tanto nos gráficos e jogabilidade. O mais impressionante era a possibilidade de liquidar o lutador derrotado no final da luta, com várias opções como puxar o coração, decapitar, arrancar sua cabeça e coluna vertebral, eletrocutar ou queimá-lo vivo. Foi assim que os "Fatalities" tornaram-se mundialmente famosos, e se tornaram a marca registrada da série, todos adicionando à mensagem "Finish Him", o que levou os jogadores a matar seus oponentes.

Boon (53 anos), programador, engenheiro e escritor, disse que "apesar das limitações técnicas da época projetamos sempre alguma coisa. Nós éramos apenas um grupo de vinte e poucos anos que queria fazer um jogo, e éramos fãs de filmes como ''Enter the Dragon'' (Operação Dragão, 1973), ''Bruce Lee'' e ''Big Trouble in Little China'' (Resgate em Chinatown, 1986). Todos estes filmes mostravam violência 'louco sobrenatural', e só queria fazer um jogo que era assim. O resultado final foi a nossa versão daqueles filmes", diz ele.

Daniel Pesina (57 anos), conhecido por representar Johnny Cage, Sub-Zero, Scorpion, Reptile, Smoke e Noob Saibot, tinha 32 anos quando seu amigo John Tobias o chamou para integrar o projeto: "Quando John me chamou, nunca mais nós pensamos sobre as limitações. Nós só tivemos de lidar com movimentos físicos especiais para o jogo, e fui em frente pensando que era um pequeno trabalho".
"Tivemos uma excelente vista do jogo, originalmoente pensando em fazer com que pareça mais com um filme, e estamos inspirado no jogo Dungeons & Dragons (D & D), mas queria algo mais suave. Então, começamos a desenvolver o jogo que tem mais ideias, e foi quando sabíamos que teria limitações técnicas. Naquela época, John e Ed trabalharam juntos para levar o projeto adiante".

"Havia cinco programadores no jogo e dois artistas. Entre eles trabalharam a parte técnica. Eu trabalhei em gravações durante três dias, enquanto John e Ed trabalharam durante seis semanas com o resto, focando os movimentos e o roteiro" diz ele, acrescentando que: ''foi apenas um pequeno jogo de arcade, e fizemos o melhor que podíamos''.

Assim, o passo óbvio era trazer os fatalities horríveis nas adaptações dos consoles, mas era algo que traria várias consequências. Em 1993, a Nintendo estava se preparando para lançar a versão Super Nintendo, disponível no mercado para um par de anos atrás. Embora naquela época a marca japonesa que visa jogos com um perfil de criança como Super Mario, era anexado ao da aceitação dos pais, o sucesso do título era mais forte e considerando a ausência de uma classificação que dizia para os compradores que o título continham violência gráfica explícita e realista, foi necessário fazer algumas mudanças: incluindo poeira cinzenta e suor em vez de sangue, "fatalities" foram substituídos por um movimento maçante que só derrubava o oponente, cabeças decapitadas foram removidas, os corpos desmembrados e outros, ''limparam''os cenários macabros.

No entanto, os esforços da Nintendo foram em vão. Seu rival, Sega Genesis teve o mesmo jogo publicado, mas os jogadores menos inofensivos foram permitidos a acessarem a versão original sem censura. O resultado? A versão da Sega de Mortal Kombat vendeu cinco vezes mais do que seus concorrentes.

Neste cenário, a controvérsia não diminuiu. O jogo entrou em um direito de remover uma indústria pouco adormecida agora, e as capacidades gráficas dos consoles ajudou adolescentes e adultos interessados na área, com títulos como Night Trap (jogo de horror interativo onde houve assassinatos de mulheres), O Clássico Doom (violenta e acusado de conteúdo diabólico), e Lethal Enforcers (sangue e atirando em inocentes), como uma ponta de lança para a indústria, satanizaram a mídia levando mais a sério, mas, também acusando-os de glorificar a violência livremente. Foi neste contexto que coincidentemente a versão sem censura da saga caiu nas mãos do filho de um chefe de gabinete do senador Joe Lieberman, que viu o jogo e ficou impressionado com o realismo das mortes, e decidiu agir.

Assim, em 1 de dezembro de 1993, Lieberman denunciada pelo senador Herb Kohl a influência corruptora sobre os jovens dos Estados Unidos, porque os jogadores tinham "para desfrutar de tortura sádica e a crueldade". Cinco meses depois, o congresso estabeleceu a criação do Entertainment Software Rating Board (ESRB), regulador que classifica o conteúdo de jogos de vídeo, produtos e filmes, e atribui uma categoria dependendo do seu conteúdo. Sua primeira "vítima" foi Mortal Kombat, que, juntamente com os outros jogos acima mencionados e aqueles que viria a incluir futura classificação M (Mature ou maduro em português), sendo vendidos ilegalmente para os menores. Este sistema de classificação se tornou um governante, e hoje continua.

Ed Boon, que era o principal convidado do evento de videojogos Festigame, realizado neste fim de semana em Santiago, aponta para Mortal Kombat, foi apenas uma desculpa para não reconhecer a falta de indústria ''Na verdade, a objeção principal era o fato de que um jogo violento não terá um regulamento, enquanto a música ou filmes. Tal era o problema até que o jogo apareceu. Uma vez que o regulamento estava disponível, esqueceram toda a confusão por causa da violência''

"No início, desenvolvemos o jogo para ser lançado exclusivamente em 2000 nas máquinas de arcade. Nunca pensei que chegaria às casas e audiências mais jovens para que ele realmente implicasse a violência. Porque quando você vai para um arcade, você sempre vê adolescentes ou adultos, audiência para o qual foi concebido o jogo", acrescenta Pesina, que também participou do Festigame em 2013.

"Acho que os políticos querem culpar os problemas em vez de si mesmos. A nossa sociedade realmente mudou, e eles sempre procuram culpar os videogames violentos como sentença''

Mas esta controvérsia diz respeito não apenas o primeiro Mortal Kombat. Nestes 25 anos, mais de 20 jogos da franquia têm sido objeto de dezenas de estudos que procuram vincular a violência nos jogos de vídeo game, e como os jovens passam sobre as suas experiências na vida real, bem como acusações de influência indireta, alguns em vários assassinatos e tiroteios nos EUA. Ainda assim, é demonstrado que a violência vende: a mais recente edição do jogo em 2015 vendeu 5 milhões de unidades, e a saga completa acumula 37 milhões em todo o mundo.

Quanto aos sangrentos "fatalities", a capacidade gráficas de consoles atuais fez o cruzamento das imagens, e é cada vez mais explícitas. Ainda assim, Ed Boon diz que são auto-limitadas, "nós normalmente lançamos grandes reuniões onde as ideias eram discutir quais fatalities seriam melhor para o próximo jogo. Se eu já me autocensurei? Sim. Muitas vezes já dissemos, 'Eu acho que nós fomos longe demais desta vez."

"Mortal Kombat agora está completando 25 anos, o que é quase a metade da minha vida. Estou um pouco assustado em pensar que tem sido há tanto tempo", conclui.

Fonte: latercera.com
Postagem Original

sábado, 5 de agosto de 2017

Diretor de Mortal Kombat: A Aniquilação fala sobre a reinicialização de James Wan

O diretor John R. Leonetti, responsável pelo filme Mortal Kombat: A Aniquilação comentou sobre o novo filme reboot da saga dirigido por James Wan. A notícia foi divulgada ontem pelo ''@MKDAN'' via Twitter, e publicada pelo site Flickeringmyth no dia 31 de Julho, e lógico que eu não poderia deixar de trazer tudinho traduzido para vocês Kombatentes!
Veja a entrevista completa bem abaixo:

James Wan está atualmente na Austrália e Inglaterra a dirigir o filme de Aquaman, mas outra adaptação em seu prato é a reinicialização da ação ao vivo de Mortal Kombat. Wan foi anunciado como o produtor no filme em agosto de 2015, com Simon McQuoid em negociações para dirigir. Nem muito foi dito no filme desde então, mas falamos com alguém que sabe muito sobre os filmes anteriores para sua tomada no projeto.

John R. Leonetti (Annabelle) foi o diretor de fotografia junto de Paul William em Mortal Kombat: O Filme de 1995 de Anderson, e foi promovido para a cadeira do diretor a pedido do produtor Lawrence Kasanoff para a sequela Mortal Kombat: Annihilation. Leonetti tem um incrível catálogo de filmes em vários gêneros, mas recentemente trabalhou como diretor de fotografia nos filmes de James Wan Insidious e The Conjuring, o que levou-o a obter o assento do diretor no spin-off Annabelle.

"Nós não conversamos há algum tempo, mas falamos sobre isso", disse Leonetti sobre sua relação com Wan. "Eu acho que os videogames são enormes e a reinicialização era inevitável. Eu só espero que desta vez James ponha uma inclinação diferente sobre ele. Eu acho que ele vai se divertir muito. Eu duvido que eu tenha algo a ver com isso."

No livro ''Lights, Camera, GAME OVER: Como os Filmes de Videogame são feitos'', Anderson e Kasanoff falaram sobre como Leonetti não teve um ótimo tempo direcionando a Mortal Kombat: A Aniquilação e como a produção era difícil . Enquanto Mortal Kombat ganhou US$ 114 milhões, a sequela fez apenas US$ 51 milhões em todo o mundo. No livro, Kasanoff revelou que o filme foi lançado inacabado. "Estou lhe dizendo que os efeitos nesse filme não são os efeitos finais", admite Kasanoff. "Eu nunca disse que alguém levaria o filme e afirmaria que era bom o suficiente. Nós nunca terminamos esse filme. Mas o estúdio disse: "não nos importamos''. Nós sacrificamos a qualidade para os negócios ".

O novo filme do Mortal Kombat ainda não possui uma data de lançamento.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Há chances de um personagem brasileiro em Mortal Kombat!

O canal oficial da WB Games Brasil acabou de lançar um vídeo com Ed Boon respondendo algumas perguntas feitas pelos fãs brasileiros do Mortal Kombat, e logo no início tivemos a seguinte pergunta:
Ed Boon respondeu: ''COM CERTEZA. Nós tivemos um pouco de influência brasileira no nosso último jogo, Mortal Kombat X, como Kung Lao Gaúcho, os trajes brasileiros para Johnny Cage e Liu Kang. Ficamos muito satisfeitos com a recepção que tiveram. Não me surpreenderia se essa tendência continuar.''
Minha nossa, imagina só um personagem brasileiro no melhor jogo de luta de todos os tempos!

Ele também disse que não há muitas chances de termos um Mortal Kombat vs Injustice ou MK vs DC Universe 2, pois segundo ele são jogos bastante diferentes e já bem estabelecidos. Sendo assim eles preferem deixar estes dois jogos separados por enquanto.
E novamente Boon disse que seu personagem favorito do Mortal Kombat é SCORPION! E também disse que o seu personagem favorito de Injustice é Flash.

Ed respondeu: ''Com certeza. Já conversamos muito sobre isso, mas no momento, tanto Injustice quanto Mortal Kombat são grandes sucessos, o que nos deixa muito ocupados. Mas nunca se sabe, talvez um dia.''

EB: ''De longe, a maior diferença de 1992, ou até antes, para hoje em dia, é o tamanho da equipe. O primeiro Mortal Kombat teve uma equipe de 4 pessoas e demorou 8 meses para ficar pronto. Mortal Kombat X teve o envolvimento de mais de trezentas pessoas. E demorou cerca de 2 anos para criar esse jogo. Isso lhe dá uma ideia de dimensão das coisas. Os jogos são bem maiores do que eram antigamente.''

ASSISTA O VÍDEO COMPLETO:

Veja também no Youtube: https://youtu.be/DsroB24a3tc








Saiba das novidades diárias sobre Mortal Kombat curtindo a nossa página do Facebook